sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Dia 1 - I Believe in Miracles

***Prólogo***

Quando o Pearl Jam anunciou a turnê pelo Brasil, eu corri pra comprar os ingressos de todos os quatro shows, em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. Esperei um mês pra comprar as passagens e fiz uma dívida sem precedentes na minha vida de mãe e dona de casa. Até então, isso só existia para comprar, sei lá, fogão e máquina de lavar.

Depois do orçamento severamente comprometido, a banda vai lá e anuncia um show extra, UM DIA ANTES DO PRIMEIRO SHOW DA TURNÊ. Não pude comprar o ingresso, e passei meses remoendo a ideia de que, mais uma vez, a banda se apresentaria aqui na minha cidade e eu não veria.

Até que ontem, dia do show extra, eu apelei ao mantra I Believe in Miracles. E não é que ele aconteceu? Mais uma vez meus anjos da guarda, também conhecidos como pais do Arthur, me deram de presente um sonho a ser realizado. E foi assim que eu saí pro almoço às 13h agoniada e voltei pro escritório às 14h pulando, gritando e distribuindo abraços.

***Dia 1***

Chegamos ao Morumbi em cima da hora. Entrei correndo no estádio, driblando o pessoal sossegado mais do que o Neymar contra o Atlético-PR. Quando pus os pés na pista e vi o palco, meu cérebro não processou a informação. Estado de choque. Anda pra lá, anda pra cá, procura um lugar de onde dê pra ver o telão (já que o palco eu nunca vejo mesmo). E a torturante espera. Trinta minutos de atraso que foram mais ou menos assim:

T
.
.
.
R
.
.
.
.
I
.
.
.
.
N
.
.
.
.
T
.
.
.
.
A

Demorou demais. Mas chegou. Os acordes começaram, as luzes apagaram. Reconheci Release e cadê a voz pra gritar junto nesse momento de libertação? Sumiu. Só consegui chorar. E chorar. E chorar mais um pouco. Ainda bem que deu tempo de recuperar o fôlego pro que vinha a seguir. Corduroy está na pele, e com ela sim eu comecei a pular, cantar, dançar, gritar, aplaudir... No meio de um monte de gente que me olhava como se eu estivesse nua. Desculpa, gente, não consigo evitar: quando estou feliz, pareço louca.

(((PARÊNTESES)))
Eu poderia falar do quanto as pessoas são mal educadas e atrapalham quem realmente quer ver o show, e da avalanche de ódio que senti por todas elas, mas não vou quebrar a magia do momento. Um dia falarei só disso. Por ora, vou focar no que interessa.
(((FECHA PARÊNTESES)))

Claro que eu gostei de todas as músicas. Claro que cantei Alive, Even Flow e Daughter, mesmo estando enjoada delas e dos modinhas que conhecem SÓ ELAS. Mas teve I Believe in Miracles, pra coroar a vibe do dia. E teve Come Back, primeiro pedido realizado da minha Wishlist. E o segundo pedido realizado foi um caso à parte...

Rearviewmirror. A música que me manteve de pé quando eu queria ajoelhar. A música que mudou minha vida. Chorei tanto tanto tanto tanto tanto (ad infinitum) que estranhos se aproximaram e perguntaram se eu precisava de ajuda. Até abraço eu ganhei. Top 5 momentos da vida, sem dúvidas. E ali eu entendi que jamais poderia ter visto o show de 2005 grávida de 9 meses. No primeiro acorde dessa música, Giovanni seria ejetado da minha barriga para a arquibancada do Pacaembu. Emoção demais.

***Epílogo***

Hoje à noite tem mais. Acho que será muito melhor, com aquelas músicas que não tocavam na 89FM e que o universo deveria conhecer pra que a vida fosse mais digna, sabe? Ah, e espero que o público se comporte melhor também.

***Ficha Técnica***


Quando: Quinta-feira, 03 de novembro de 2011
Onde: Estádio do Morumbi, São Paulo
O que:

3 comentários:

Thamirys Marques disse...

Oi, achei seu blog por um acaso. Achei incríveis seus textos dos shows. Não tive a mesma sorte de ir a todos os shows, fui somente no primeiro, e como vc pq ganhei o ingresso. Só posso dizer que foi mágico. Só de pensar fico nas nuvens. Legal saber que tem outras pessoas que nutrem o mesmo amor por eles.

Um beijo

Juliana Teixeira disse...

Obrigada :)
Realizei um grande sonho, e te digo que valeu cada sacrifício feito (não foram poucos). Daqui alguns anos eles voltam e poderemos sentir tudo novamente. Tomara que não demorem muito.

Beijos!

Thamirys Marques disse...

Ai, tomara que eles voltem logo. Sinto muita saudade. Não sei você, mas o meu amor por eles quadriplicou depois do show!
Um beijo!